• Bambuí, 11 de Dezembro de 2019

O mundo lembra os 35 anos sem o rei do rock

“Always on my mind”, uma das mais famosas músicas gravadas por Elvis Presley, é o retrato fiel do sentimento de fãs de várias gerações em relação ao eterno “Rei do Rock”. Amanhã, quando o mundo lembra os 35 anos da morte de The Pelvis, o mito continua sendo reverenciado. Mesmo depois de Beatles, Michael Jackson e Madonna, o cantor ainda detém o posto de maior ganhador de discos de ouro e platina de todos os tempos – 131 ao todo. Calcula-se que tenha vendido mais de um bilhão de discos. Sua voz, o rebolado, enfim, todo o seu charme e talento seguem marcantes no imaginário popular. Em Belo Horizonte, a The Presley´s Band e a Rockabillies homenageiam o rei, interpretando os grandes sucessos, ao lado de Affonsinho, Bob Faria, Fred (Banda Uai Horses), Gustavo Parreiras (Revolver), Leo Moura (Rockabillies), Maurinho Nastácia e Odilon Amaral. Lembrando a frase de John Lennon – “Antes de Elvis não existia nada. Nós (os Beatles) sempre quisemos ser maiores que Elvis porque ele era o maior” – Ricardo Koctus, baixista do Patu Fu e vocalista e fundador da The Presley, mostra sua admiração por Elvis. Ele enfatiza o fato de Elvis ter tirado a música negra dos guetos para ser tocada nas “rádios de brancos”. “Elvis fez um revolução social e sexual. Antes dele não tinha nada”, reforça. Seu fascínio, que vem desde os dois anos de idade, sempre foi a musicalidade do Rei.Affonsinho, que curte muito o cantor, mas não chega a ser um “elvismaníaco”, ressalta que os músicos que sua geração ouvia, como Led Zeppelin e Pink Floyd, só se tornaram quem eram em função de Elvis. “Admiro o trabalho de Koctus, que tem um carinho muito grande com a música. Será um prazer fazer parte desta celebração”, destaca o cantor. www.tvbambui.com.br

Compartilhe:

COMENTÁRIOS