• Bambuí, 14 de Dezembro de 2019

Firmino Júnior: Páscoa é época de...

Foto: Divulgação

Comer chocolate e muito chocolate. Isso obviamente não é regra, mas tem muita gente que pensa assim logo que esta data tão doce se aproxima. Neste ano, o domingo de Páscoa será dia 05 de abril, pois, como todos sabemos, ele não é um feriado com dia fixo, varia conforme o ano. E como ele se aproxima, o que vemos nas lojas são inúmeros tipos de ovos, parece que a cada ano esse número triplica, e a criançada e boa parte dos adultos ficam estarrecidos quando veem tantas delícias.

Mas o que me intriga é como esse feriado tem perdido o verdadeiro sentido. Por mais que muitos estudiosos tendem a suspeitar da relação entre Páscoa e religião, o fato é que esse feriado existe, e que desde criança já escutamos que ele representa a ressurreição de Cristo três dias após sua crucificação no Calvário. Eu sei que o Brasil é ecumênico e isso me agrada intensamente, pois, enquanto em muitos países ainda se mata por religião, aqui a tolerância religiosa tem sido cada vez mais respeitada, sendo este um mérito muito importante para uma nação.

Dessa forma, o meu intuito com este texto, não é criticar quem apenas come chocolate ou aqueles que não comemoram a Páscoa, e sim, tentar olhar esse dia de outra forma. Se o dia já existe e já é considerado um feriado, bem prolongado, inclusive, porque não aproveitamos esse momento para estreitar os laços de amor, respeito, amizade entre os parentes e amigos que só conseguiram se encontrar por causa desta data. Este dia não precisa ser visto apenas como uma conotação religiosa, ele pode se tornar o dia em que todas as pessoas que se gostam se reúnem e fazem dele o dia mais legal do ano.

A Páscoa precisa ser vista com outros olhos por todos nós e isso deve ser repassado as crianças. Em vez de ficarmos horas e horas escolhendo ovos de chocolate e enfrentando filas quilométricas para pagá-los, além do fato de estourarmos o orçamento mensal, podemos muito bem comprar um e dividir entre toda a família, pois, assim não deixaremos passar em branco esse fato tão importante da Páscoa, e ainda aprenderemos como dividir e compartilhar com o próximo é melhor que qualquer chuva de chocolates.

Pois bem. Deixo aqui minha dica para uma Páscoa “diferente” neste ano e nos próximos. Ela não será tão doce no sentido concreto da palavra, mas sem dúvida, se aproveitada com o devido valor que ela merece, marcará o início de um ano mais feliz, prazeroso e mais doce que muito ovo trazido pelo coelhinho, mas com nossos lares sempre repletos de Deus... que é o que realmente importa, é lógico.

Feliz Páscoa!

FIRMINO JÚNIOR, bambuiense, é professor do Instituto Federal. Jornalista e mestre em Comunicação. Contato: firmino.junior@yahoo.com.br. Colaborou nesta coluna Fernanda Carla de Oliveira.

 


Compartilhe:

COMENTÁRIOS