• Bambuí, 14 de Dezembro de 2019

Firmino Júnior: Não sou contra. Explico os motivos...

Foto: Divulgação

A nova onda dos municípios mineiros é cancelar o carnaval. Até as cidades que já não investiam na festa há algum tempo e sequer têm tradição na festa, anunciaram, via Prefeitura, que não vão realizar uma das mais esperadas festividades do povo brasileiro.

Os motivos têm se revelado os mais diversos: falta de água, falta de recursos financeiros, falta de segurança. Enfim, a culpa nunca é da decisão política da falta de investimento em cultura. Mas, voltando ao título, prometi explicar os motivos que me levam a defender, sobremaneira, o carnaval.

Sou contra a bagunça exagerada. Cachaça sem limites e pancadaria nas praças públicas também não devem ser financiadas com dinheiro público. O carnaval que sou a favor, e defendo, tem blocos de rua, desfiles alegóricos, marchinhas e tudo mais. O carnaval que defendo, e sou contra o cancelamento feito pelos prefeitos que de nada entendem da festa,  é aquele que tem alegria em vez de pancadaria. Tem gente feliz, em vez de gente embriagada. Tem música, em vez de palavrão.

Acho que seria mais bonito para os vários prefeitos que cancelaram a festa, admitir que não se preocupam com a cultura. Deveriam ir a público e dizer que o único carnaval que sabem fazer é aquele que coloca duas ou três bandas pseudo-baianas em cima de um palco. Ora bolas, carnaval não é só isso. Carnaval é muito mais... Carnaval é máscara, fantasia, gente bonita, de chinelo na rua...

Confesso que esse tipo de tema não é o que eu mais gosto de escrever. Na nossa coluna semanal, Tema Livre, que diga-se de passagem, completa agora seu primeiro aniversário, tratamos de temas mais amenos. Utilidades e futilidades foram nossas pautas mais contínuas, mas agora, ao assistir essa pouca vergonha dos prefeitos, não poderia deixar de levar esse ponto de vista aos nossos leitores em Bambuí, Iguatama, Arcos, Formiga e Passos.

E que tanta água é essa que se gasta no carnaval? Estão falando de que? Da água utilizada nas cervejas? Dá água de mangueira que banha os foliões? Ah tá. Tem tanta forma de se resolver a crise hídrica e a coisa mais inteligente que vocês conseguem fazer é cancelar o carnaval?

E a desculpa da falta de segurança? Então quer dizer que os municípios estão amargando a boca com a criminalidade só no carnaval? A insegurança já faz parte do nosso cotidiano e não é o carnaval que vai complicar tudo mais ainda. Que se contratem seguranças! Mas não achem que, nós, foliões confessos, somos gladiadores. Só queremos diversão, sadia e amigável.

Sobre a falta de dinheiro para fazer a festa: Pelo amor de Deus. É preciso mais criatividade. Se a festa for realizada no viés cultural, com incentivo a blocos, escolas de samba e tudo mais, o próprio dinheiro gasto pode ser revertido em pontos de cultura e voltar para a cidade em recursos do ICMS Cultural. Essa história de que não tem dinheiro para fazer carnaval é balela, daquelas mais esfarrapadas que pode existir.

Por último, termino este indignado escrito dizendo que sim, sou a favor da festa do povo, a festa mais popular do Brasil e do brasileiro. Confesso, não tenho muito samba no pé, mas não me acostumei com a ideia de que não há uma opção justa para aqueles que não podem ou não querem gastar algumas centenas de reais com os tais abadás e festas fechadas. Os direitos dos cidadãos já são negados muitas vezes na saúde e na educação, mas quando o assunto é cultura, eles já nem existem mais... Essa é a triste realidade, de muitas cidades mineiras.

FIRMINO JÚNIOR, bambuiense, é professor do Instituto Federal. Jornalista e mestre em Comunicação. Contato: firmino.junior@yahoo.com.br. Colaborou nesta coluna Fernanda Carla de Oliveira.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS