• Bambuí, 14 de Dezembro de 2019

Firmino Júnior: O futuro a Deus pertence. Será?

Foto: Divulgação

Sei que o título deste artigo vai causar impacto para alguns, contrariedade para outros e curiosidade, espero eu, para a maioria. E é por isso que já resalto desde estas primeiras linhas que não estou negando nem duvidando de nada, até porque tenho plena convicção na existência de Deus. Quero apenas, refletir com você meu amigo e leitor, se lutamos por um futuro melhor ou apenas culpamos a Deus por tudo aquilo que deu errado.

Muita gente carrega a frase “o futuro a Deus pertence” como um slogan de vida. Se deu errado a culpa é de Deus e se deu certo é de todos nós. Eu não penso que seja bem assim. Antes de tudo temos a nossa capacidade de escolha, ou seja, o denominado livre-arbítrio. Já que o texto é de “frase feita” aí vai mais uma, traduzindo o nosso poder de decisão em miúdos, “a gente colhe o que planta”. Então sob o meu ponto de vista, a busca por um futuro melhor nesse ano que se inicia e em todos os dias da nossa vida depende daquilo que a gente faz para o outro e para nós, daquilo de bom que plantamos, que florescerá e um dia gerará os mais belos frutos. Claro que a ajudinha de Deus, ou da crença que cada um possui é importante, mas deixar a vida por conta Dele, sem esforço, não é realmente justo.

Creio que colocar a culpa no outro ou nos outros é mais fácil que aceitarmos nosso erro e tentarmos consertar. Acredito que tomar decisões seja um dos maiores obstáculos que enfrentamos durante a vida, afinal, não é fácil para ninguém optar por um por outro, pois, muitas vezes aquilo que parece bom e mais fácil à primeira vista, traz consequências mais duras que aquele caminho que parece árduo e longo quando você o vê do início da estrada.

E é por tudo isso que devemos prestar mais atenção quando dizemos “o futuro a Deus pertence”. Antes de pronunciá-la precisamos parar e pensar se o que eu já fiz realmente me faz merecer um futuro melhor. Se eu coloquei em prática tudo o que estava ao meu alcance para merecer algo de bom lá na frente. E não apenas jogar na mão de Deus e na maioria das vezes culpá-lo por tudo aquilo que não deu certo e raras vezes agradecer por aquilo que aconteceu de bom.

Então, para fechar o artigo, antes de julgar que “o futuro a Deus pertence”, apegue-se as seguintes escrituras.“Não vos enganeis: de Deus não se zomba; por aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia para sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna”. Gn. 1.11 e 8.22.

Aí eu te pergunto, caro leitor: É simples? É fácil? Todos conseguirão? Infelizmente não. As realizações pessoais e profissionais são sim iluminadas por Deus, mas já é hora de cada um de nós começar a fazer mais aquilo que nos foi atribuído. Reclamar não adianta. Chorar, só quando for mesmo muito necessário. Então, mãos à obra.

FIRMINO JÚNIOR, bambuiense, é professor do Instituto Federal. Jornalista e mestre em Comunicação. Contato: firmino.junior@yahoo.com.br. Colaborou nesta coluna Fernanda Carla de Oliveira.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS