• Bambuí, 10 de Dezembro de 2019

Firmino Júnior: #orgulhoalheio 01

Foto: Divulgação

Constantemente vejo publicado em minha linha do tempo do Facebook a expressão (ou hashtag?) #vergonhaalheia. Pois bem, pelo que entendi, as pessoas querem identificar atos que as fazem sentir vergonha por outras pessoas, no lugar delas, bizarrices infinitas. Casos como a volta da Ditadura Militar, Luiza no Canadá, homofobia de Levy Fidelix entre tantos outros são facilmente marcados com esse trocadilho.

Na verdade, resolvi cunhar a expressão #orgulhoalheio para me referir a alguns dos grandes líderes mundo afora que, com suas ações duras, desenvolvimento humano e, sobretudo simplicidade, estão marcando para sempre a minha, a sua, a nossa história. Selecionei algumas das falas deles, comumente traduzidas em ações que beneficiam sua gente. Eles são demais!

Tenho muito #orgulhoalheio de Pepe Mujica, o presidente do Uruguai. Apesar de ser o chefe maior daquela república democrática, ele não mudou seus hábitos. Continua andando em seu fusquinha azul, mesmo do alto de seus 80 anos, quando não tinha que provar mais nada para ninguém. Além disso, doa 90% de seu salário para entidades beneficentes e, quando perguntado, se conseguiria viver com os outros 10%, coisa de R$ 2.500,00, ele foi enfático: “a maioria do meu povo vive com menos do que isso, porque eu não conseguiria?”.

Mujica tem uma frase que me faz arrepiar, afinal de contas, sou professor: “Vamos investir primeiro em educação, segundo em educação, terceiro em educação. Um povo educado tem as melhores opções na vida, e é muito difícil que os corruptos mentirosos os enganem”. Quando questionado sobre os 15 anos em que foi preso político, ele disparou: “Não vivemos para cultivar a memória olhando para trás. Acredito que o ser humano tem que saber cicatrizar suas feridas e caminhar na perspectiva do futuro, pois não podemos viver escravizados pelas contas pendentes da vida. É importante não se esquecer de nada, mas penso que é necessário olhar para o amanhã. Não se vive de recordações. É importante olhar o passado, mas também é necessário perde-lhe o respeito. O inevitável não se lamenta. O inevitável tem que ser enfrentado”.

Nem tudo que ele faz eu concordo, tenho posições contrárias à dele nos assuntos legalização da maconha, religião e aborto, entretanto, isso não impede, de maneira nenhuma, que eu apóie a maior parte de suas condutas, tendo-o, inclusive, como espelho de vida. Mujica reduziu a miséria no Uruguai de 37% para 11%. Mujica se ofereceu para receber os detentos libertados de Guantánamo. Mujica enfrentou as maiores corporações do mundo por causa do meio ambiente. Mujica se opõe ao militarismo e a cultura de guerra impregnada no mundo. De tão simpático, ainda tem como animal de estimação uma cadelinha de três patas, a Manuela.

Tenho também muito #orgulhoalheio de Evo Morales, o índio-presidente da Bolívia. Mas sobre ele, que a exemplo de Lula, elevou o seu país aos índices históricos mais baixos de fome e miséria, conversamos semana que vem, na próxima coluna.

FIRMINO JÚNIOR, bambuiense, é professor do Instituto Federal e da PUC Minas. Jornalista e mestre em Comunicação. Contato: firmino.junior@yahoo.com.br.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS