• Bambuí, 12 de Dezembro de 2019

Firmino Júnior: Começar de novo, recomeçar!

Recomeço. Para muitos de nós, esta é uma palavra que dá medo, pavor, fobia e tremedeira nas pernas – isso sem contar do frio na barriga. Recomeçar é um desafio pra mim, pra você, pra todos nós. Temos um medo natural, interno, que nos leva a pensar muito, antes de voltar atrás e fazer de novo, seja qual assunto for tratarmos. Começar do zero, quando já se andaram alguns quilômetros, é algo que incomoda, dá preguiça. Temos, assim, uma tendência natural a nos acomodar, pois o pavor do recomeço, do novo, do desafio, é realmente assustador desde os primórdios da humanidade. Recomeçar quando se está bem na vida não é fácil. Recomeçar quando as coisas estão indo mal, então nem se fala. Henry Ford – o cara que colocou em circulação os primeiros veículos comerciais nas ruas – dizia sempre que o insucesso é apenas uma oportunidade para recomeçar de novo com mais inteligência. Falar é fácil senhor Ford! Na prática, é da natureza humana estar cabisbaixo de vez em quando. E, nesses momentos, trocar o pneu da bicicleta com ela em movimento é algo impensável. Falo de mim mesmo, quando em 2009 fiquei desempregado. Foram só dois dias até arrumar um novo emprego, mas talvez tenham sido os dois piores da minha vida. Pensei em mudar a direção do barco, pensei em trocar os tripulantes, pensei até em pular do barco sem salva-vidas, mas com fé em Deus e persistência, superei aquele curto e tenebroso período. Recomecei, em outro lugar, num novo emprego, novas pessoas, salário menor, mas recomecei, de cabeça erguida e com uma vontade enorme de dar certo na vida. Deus havia traçado um recomeço difícil, longe de casa e dos amigos, tive que aprender a me virar. Mas, diz um dos mais antigos ditados, “Deus escreve certo por linhas tortas”. E hoje, posso dizer com convicção: perca o medo de recomeçar. Se for preciso, dê uma guinada na sua vida. Troque de roupa, de emprego, de vizinhos, de marido (ou de mulher), se nada disso estiver lhe fazendo bem. Ah, e não seja pirracento, você só tem a perder. Mas atenção, troque hoje. Não adie. Não tenha medo de dar uma volta de 360 graus se preciso for. Sua felicidade depende desse recomeço. Certa vez li um livro da Cecília Meireles, onde uma frase marcara minha vida para sempre. Dizia ela: “Aprendi com as primaveras a me deixar cortar para poder voltar sempre inteira”. E é assim mesmo. Somos como as plantas. Às vezes precisamos podar alguns dos nossos galhos para que outras folhas, flores e frutos mais frondosos apareçam. Precisamos, vez ou outra na vida, desamarrar os cadarços, tropeçar, esfolar os joelhos, para então, darmos o devido valor que nossa caminhada merece. Um dos homens mais bondosos do mundo – e não precisa ser espírita para admitir isso – Chico Xavier, cunhou uma célebre frase: “Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”. Então, o que você está esperando para fazer o seu novo fim? Quantos dias ou anos ainda pretende esperar? Tome decisões conscientes, mas tome uma decisão, dizia um velho amigo. Da minha parte, já decidi, mesmo que às vezes por fora pareça que eu já tenha desistido, por dentro vou sempre levar comigo algumas razões para recomeçar. E você? P.S.: Aproveito o ensejo para agradecer as dezenas de e-mails que recebo durante a semana, falando de histórias pessoais de cada um. A troca de experiências com vocês está sendo muito valiosa. Muito Obrigado mesmo! A prosa é ótima... FIRMINO JÚNIOR, bambuiense, é professor na PUC Minas e no Instituto Federal, também jornalista e escritor, tem mestrado na área de Comunicação. Contato: firmino.junior@yahoo.com.br

Compartilhe:

COMENTÁRIOS