• Bambuí, 12 de Novembro de 2019

Batalha de versos, contação de histórias, shows e cinema são atrações gratuitas da FLI BH

Quem resiste a uma boa história? Ainda mais se for daquelas que fazem a gente viajar, dar a volta ao mundo sem sair do lugar e retornar com uma bagagem cultural valiosíssima? Então... vamos embarcar?! A CONEXÃO desta semana é com a literatura e todas as narrativas em que ela possa ser manifestada. Até domingo (29/09), a capital mineira vai respirar e inspirar histórias com a terceira edição do Festival Literário Internacional de Belo Horizonte, o FLI. A programação deste ano traz o tema “Do livro à voz: narrativas vivas”.  São mais de 50 atrações, entre palestras, rodas de conversa, oficinas, saraus, contação de histórias, exposições e lançamentos de livros com direito a autógrafo de escritores independentes e famosos. Há autores que vieram de vários estados brasileiros. É o caso de Marcelino Freire, de Pernambuco, e Marcelo Rubens Paiva, de São Paulo. Dentre as atrações internacionais estão escritores da Itália, Argentina, Colômbia e do Chile.

A programação inclui intervenções urbanas, uma mostra de cinema com filmes adaptados de livros e shows com artistas da palavra cantada. O destaque vai para as Negras Autoras, que narram suas histórias, crenças e religiosidades de forma contagiante (sábado, às 20h30), e Sérgio Pererê, que tem uma voz e presença de palco que são pura poesia (domingo, meio-dia). Também vale muito conferir dois grupos de contadores de histórias respeitados dentro e fora do Brasil: o Miguilim de Cordisburgo, que narra textos de Guimarães Rosa, e os Drumonzinhos, que declamam poesias de Carlos Drummond de Andrade.

O festival acontece em três espaços superacessíveis de Beagá: Parque Municipal e Centro de Referência da Juventude (na praça da Estação) no Centro e MIS Santa Tereza, na praça Duque de Caxias.

SLAM  é destaque com o Campeonato Brasileiro de Poesia Falada

Você sabe o que é SLAM? Trata-se de uma batalha de versos em que dois poetas sobem ao palco para uma espécie de duelo. A disputa é cronometrada. Nada de música nem acessórios. Os participantes só podem usar o corpo para se expressar, impressionar e receber as notas da plateia. A batalha nasceu em Chicago, nos Estados Unidos, na década de 80. No Brasil, chegou há cerca de dez anos e é inspirada no hip-hop. A atração será no encerramento do FLI e também envolve disputa. Domingo, dia 29, tem o Campeonato Brasileiro de Poesia Falada com os vencedores de cada ano do SLAM BR – concurso que acontece desde 2014 no Brasil. Então nem precisa falar que as atrações são superinteressantes com os melhores slammers do país. Vai ser sarau competitivo para você ver, ouvir, torcer e vibrar com as performances, todas ricas em repertório e improviso!

Vou deixar aqui o link com a programação gratuita para você escolher sua atração, fazer a CONEXÃO literária e se divertir:   http://www.fli.pbh.gov.br

CONEXÃO

Daniela Vargas nasceu em Bambuí, é jornalista, especializada em Gestão Cultural, repórter do Canal Brasil e das Mostras de Cinema de Tiradentes, Ouro Preto e BH, produtora de conteúdo, mestre de cerimônias e colunista da TV Bambuí.

E-mail: conexaodanielavargas@gmail.com 
Facebook: Daniela Vargas
Instagram: danivargasbh


Compartilhe:

COMENTÁRIOS