• Bambuí, 13 de Novembro de 2019

Bambuí completa 133 anos de emancipação política

Foto: Reprodução

história de Bambuí começou no início do século XVIII, por volta de 1720, com a chegada do primeiro homem branco, vindo da Vila de Pitangui. Nessa época, Minas Gerais nem era, ainda, uma capitania, e vivia às turras com os paulistas. O primeiro homem branco a se estabelecer na região de Bambuí foi o Capitão Mor de Pitangui, João Veloso de Carvalho, em 1720. Segundo alguns escritos que narram os primórdios da povoação, Antônio Rodrigues Velho, teria vindo na mesma época e se estabelecido aqui na região.

O início de um povoamento, propriamente dito, teria ocorrido com a abertura da PICADA DE GOIAZ, que teve seu início em 1736, ligando a capital da Colônia, Rio de Janeiro, passando por São João Del Rei, à província de Goiás, onde havia grandes lavras de ouro. A região de Bambuí ou Bamboi era cortada por esse caminho tão importante quanto a hoje badalada Estrada Real. O povoamento só se intensificou duas décadas depois com as “entradas” do Mestre de Campo, Inácio Corrêa Pamplona, português, natural da Ilha Terceira.

Esse importante personagem do Centro-Oeste mineiro teve seu nome ligado à Inconfidência Mineira como um dos denunciantes de Tiradentes e dos inconfidentes. Durante o período de governo de Luiz Diogo (1763-1768), Pamplona realizou sua primeira “entrada” em 1765 ou 1766, quando se estabeleceu na região do “Desempenhado”. Em 1767 foram distribuídas sesmarias para os companheiros entrantes de Pamplona, e este conseguiu para si e seus filhos pelo menos seis sesmarias. Na expedição de 1769, ocorre o primeiro marco de criação do arraial com a construção de uma capela com o orago de Santana e sua filha, Maria Santíssima. Para essa construção, Pamplona concorreu com a doação de 200 oitavas de ouro, cedeu 16 escravos, bois e carros. Segundo o historiador Waldemar Almeida Barbosa, o patrimônio da capela fora doado pelo próprio Pamplona e constava de meia légua de terreno ‘nas circunferências do arraial’”. Por essas iniciativas Pamplona é considerado como fundador do arraial de Bambuí.

Outro importante personagem da história de Bambuí e da Inconfidência Mineira, foi o coronel Manoel da Silva Brandão, na Sesmaria da Glória. Graças à atuação de várias lideranças, escudadas pelo deputado majoritário aqui na região, cônego Ulisses Furtado de Souza, o primeiro passo para se conseguir a emancipação política fora alcançado em 22 de setembro de 1881, quando a Lei Provincial n. 2785 elevou o arraial à categoria de Vila, com a denominação de Santana do Bambuí. A primeira eleição, na vila, aconteceu em outubro de 1884, para escolha dos sete primeiros vereadores. Em 10 de julho de 1886 a vila foi elevada à categoria de cidade. Bambuí experimentou seu grande surto de progresso com a chegada da Estrada de Ferro Goiaz, inaugurada em 30 de junho de 1910. A centenária ferrovia revolucionou a economia da cidade, acostumada, até então, com o transporte em lombo de burros ou por carros de boi. A pequena Bambuí tornou-se próspera, mais moderna, abriu, para o bambuiense, o caminho para um novo mundo.

Alguns prefeitos se destacaram na administração municipal como Florentino Castellar de Magalhães, instalando, em 1924, a energia elétrica na cidade, com a construção da Usina da Cachoeira da Laranjeira. Antônio Torres instalou o abastecimento de água encanada através de poços artesianos, em 1937. Sinfrônio Torres, nos anos seguintes, implantou o serviço de esgotos sanitários, benefício raramente encontrado mesmo em centros mais avançados, e a construção da Usina Hidrelétrica do Samburá, mais potente que a primeira. As principais obras do prefeito Antônio Paulinelli de Carvalho foram o início do calçamento da cidade, a partir da Praça Cel. Torres, e a instalação do Posto Agropecuário, que mais tarde se transformou em Colégio Agrícola e hoje o Instituto Federal de Minas Gerais. No mandato do médico João Moreira Magalhães, entre 1963 e 1967, a CEMIG foi instalada no município. O prefeito José Brito da Silva, instituiu os símbolos municipais, o brazão e a bandeira, e a construção do primeiro pavimento do Palácio 10 de julho, sede da prefeitura.

QUILOMBOS

Na vasta região de Bambuí no século XVIII onde se incluíam os atuais municípios de Tapiraí, Medeiros, Córrego Dantas, Luz e São Roque de Minas, existiram pelo menos quatro quilombos, que ficaram conhecidos a partir da Guerra de 1759. O maior deles, o Mambui ou Bambuí, ficava entre o rio Bambuí e o rio Perdição, ao norte de Bambuí, sul de Córrego Danta e a leste de Tapiraí. O quilombo do Mamboi, Mammoi ou Bambuí, que são variações de nomes de um mesmo quilombo, era considerado um grande grupo com aproximadamente 150 casas. Os outros quilombos, segundo fontes primárias e o mapa do capitão Antônio Francisco França são Ajudá ou Ajuda, situado às margens do rio Marcela, entre os municípios atuais de Córrego Danta, Luz e, Andaial ou Indaiá, situado provavelmente nas proximidades da Serra do Urubu, entre Campos Altos, Córrego Danta e Tapiraí.

O grande destruidor dos quilombos na segunda guerra do Campo Grande, em expedição que percorreu no ano de 1759 a vasta região que compreendia o território das atuais Piumhí, Bambuí, Alto Paranaíba, parte do Triangulo Mineiro e Sudoeste de Minas, foi o paulista Bartolomeu Bueno do Prado, que a mando do governador interino, formou um exército composto de 400 homens.

Origem do nome Bambuí

A mudança ortográfica de Bambuí para Bambuhy induziu muitos historiadores ao erro, acreditando estes que o significado do nome está ligado a rio ou derivado de rio e tem origem indígena. Quem teria, então, batizado a região? A explicação pode estar bem longe daqui. Mais precisamente na África Ocidental, em Camarões, no estado de Mezam, cuja capital é Bamenda, onde existe uma tribo ou comunidade com aproximadamente dez mil pessoas (1983) com o nome de Bambuí. A explicação mais plausível e que explica a origem do nome do município mineiro, é que a região foi batizada pelos escravos que vieram dessa região africana para estabelecerem-se no quilombo ao qual deram o nome de Mambui (Bambuí).

Fonte: Livro e DVD Bambuí nas Trilhas da Picada de Goiaz. Autor Lindiomar J. Silva. Oficializado pela Lei. 2.178 de 07-11-2011.


Compartilhe:

COMENTÁRIOS